Acontece

Demanda por eventos e incentivos cresce no primeiro trimestre

Ao que tudo indica, as perspectivas para o segmento de eventos e incentivos são bastante positivas para este ano. E os primeiros sinais disso já aparecem no primeiro trimestre, período em que foi registrado um aumento de 43% na demanda de eventos, em relação ao mesmo período do ano passado.

Os dados foram divulgados pela Tour House, que também revelou quais serão as tendências para o setor. “A regionalização dos eventos está se tornando uma característica predominante. Os clientes definem a localização onde há maior concentração de participantes, o que contribui para a redução de custos como transfer, por exemplo”, conta o diretor da unidade de Eventos da Tour House, Mateus Passos, que tem em seu portfólio clientes como Aché Laboratórios, BRF, Somos Educação, Sony, Unilever e 99 Táxis.

A regionalização também exerce influência direta na escolha do local. “Em vez de encontros com 200 a 400 participantes, as empresas reúnem um grupo mais seleto de 20 a 30 profissionais e optam por um restaurante em vez de utilizar a estrutura hoteleira”, conta Passos.

É interessante observar que a antecedência com que os eventos são reservados varia de acordo com o segmento das empresas. “As do setor farmacêutico tendem a fazer suas reservas com muito mais antecedência do que os demais”, conta o executivo.

Os dados da Tour House comprovam esse fato: no setor farmacêutico, 33% dos eventos são reservados com até 15 dias de antecedência da data de sua realização, 21% com 15 a 30 dias de antecedência, 8% com 31 a 45 dias e 38% em um período maior que 45 dias, enquanto no segmento não farmacêutico 49% dos eventos são solicitados com menos de 15 dias de antecedência, 15% com 15 a 30 dias de antecedência, 9% com 31 a 45 dias de antecedência e 19% em um período maior que 45 dias de antecedência.

A região Sudeste, que representava 65% do total de eventos da operadora há cerca de três anos, hoje já perfaz 80%, cenário motivado especialmente pelas despesas com bilhetes aéreos. Mas não só o segmento de eventos caminha a passos largos, como também as viagens de incentivo, cujo volume cresceu 38% entre janeiro e março deste ano, no comparado com o mesmo período de 2017, fator impulsionado por eventos como a Copa do Mundo na Rússia.

Todos os dados citados acima foram coletados pela ferramenta Single Point Event Controller (Spec), desenvolvida pela Tour House para coletar informações de mercado, mensurando o desempenho dos clientes individualmente e também como um todo.

“Tem sido muito desafiador para a cadeia de eventos lidar com prazos dilatados de pagamento para os clientes, mas temos trabalhado para oferecer alternativas que favoreçam tanto o cliente final como os fornecedores. Isso sem contar o trabalho de consultoria que prestamos às empresas, entendendo suas demandas de mercado e ajudando-as a encontrar a melhor forma de atendê-las”, conclui o diretor da unidade de Eventos da Tour House.

Fonte: Karina Cedeño – PANROTAS

x

x



x